secretaria@cppc.org.br 21 99454.5961

TEMOR X AMOR EM RM 8:15, por karl kepler

Artigos e Notícias

Porque não recebestes o espírito de escravidão, para outra vez estardes com temor, mas recebestes o espírito de adoção, pelo qual clamamos: Aba, Pai! (Rm 8.15)

Uma característica muito comum enraizada nos crentes que vêm à terapia é uma espécie de “medo de Deus”. Todos sabem repetir o refrão de que “Deus nos ama”, mas o medo transparece claramente em atitudes como: a preocupação com saber o que é certo e o que é errado, o medo de “perder a salvação”, o medo de não ser arrebatado se Jesus voltar de repente, o sentimento de culpa – de insuficiência perante Deus – reforçado domingo após domingo na grande maioria dos sermões, as dúvidas atrozes sobre os imperdoáveis “pecado para a morte” e a “blasfêmia contra o Espírito”, e a grande importância que se dá em “descobrir qual é a vontade de Deus”. Na verdade, parece que nossa fé é mais ou menos assim: Deus nos aceitou como somos e perdoou todos os pecados do nosso passado, até o dia em que “aceitamos a Cristo”. Daí para a frente, temos de tomar cuidado com a nossa vida, como se fôssemos equilibristas sobre a corda bamba, onde qualquer escorregão será o fim (ou pelo menos um estrago muito grande). Esse medo de pecar, que traz embutido um medo de Deus é exatamente o contrário do que Jesus queria quando disse: “deixo-vos a paz, a minha paz vos dou”. Há vários outros textos absolutamente claros a esse respeito, mas este citado no cabeçalho utiliza uma figura muito forte e clara: o medo é atitude de escravo (aliás, para o escravo era bom mesmo ter medo de seu senhor, posto que sua vida dependia de não desagradá-lo). Deus está deixando claro que, diferentemente do Velho Testamento – onde seu povo não tinha o Espírito Santo, mas apenas uma lista de Leis cuja obediência trazia bênção e a desobediência, maldição – agora não somos mais servos, mas fomos adotados como filhos. E pai (e mãe) nenhum quer que seus filhos tenham medo dele; queremos que nossos filhos nos amem, e se sintam seguros de nosso amor. Pois Deus da mesma forma: o Espírito Santo enviado para nossos corações busca desenvolver essa convicção interna de “pertencimento”, de filiação, que nos faz gritar: Papai! paiêêê!, painho!, mesmo quando fizemos alguma coisa errada. Sabemos que não seremos mortos, nem expulsos da família; no máximo, repreendidos e abraçados. Aí sim dá para viver em paz, a paz dos justificados exclusivamente pela graça, por meio da fé, por dom de Deus Pai. Aí aquela obediência que nossos zelosos líderes tanto querem passa a existir, como fruto de amor e não de medo; e o amor vai crescendo e “lançando fora todo o medo”(IJo 4). Não é para menos que a Bíblia diz que é “a quem dá com alegria que Deus ama”.

Copyright ©1976-2018 CPPC - Corpo de Psicólogos e Psiquiatras Cristãos
Todo o conteúdo deste site é de uso exclusivo da CPPC.
Proibida reprodução ou utilização a qualquer título, sob as penas da lei.