secretaria@cppc.org.br 21 99454.5961

PRINCÍPIOS DE ACONSELHAMENTO PASTORAL, por Karl Kepler e Albert Friesen

Artigos e Notícias

CONDIÇÕES BÁSICAS

1. Ciente do seu “valor”

 I Tim 1.15  – o pior dos pecadores; também Rm 7.14,18 – em mim não habita bem nenhum;  e Romanos 2.1-4 , Rm 2.17-24 – tu fazes o mesmo que condenas. Nossa diferença fundamental de Jesus.

2. Seguindo a atitude básica de Jesus.

Mt 11.28 “vinde a mim… e achareis descanso/alívio para vossas almas”

João 6.37 “Todo o que o Pai me dá virá a mim, e o que vem a mim, de maneira nenhuma o lançarei fora”

3. Cooperando com o Espírito Santo

Procurar entender o que Deus está querendo fazer com essa pessoa, ajudá-la a perceber para onde o E.S. a está convidando a seguir (e ter a liberdade para isso).

Ef 5.17 “tentar entender”

4. Amadurecido acima de seus preconceitos em relação aos homens

Se o homem é mau, precisa de restrições. Se é bom, precisa de apoio. Joio & Trigo, a dificuldade de aceitar a mistura, tanto em crentes quanto em incrédulos.

CONTEÚDOS DO ACONSELHAMENTO

1. O Caminho da Sabedoria (Daniel Schipani, Ed. Sinodal)

Auxiliar a pessoa a reconhecer grandes armadilhas e “burradas” em que ela está caindo ou corre o risco de cair

2. O Caminho do Evangelho

Salvação pela fé, não pelo comportamento (obras); primazia do amor.

3. O Caminho do Amor

I Pedro  4.10 “Tende antes de tudo amor uns para com os outros, porque o amor cobre uma multidão de pecados”.

4. “Não julgueis”

Mostre o mal que a pessoa está fazendo, mostre o sofrimento que ela está trazendo para si e para outros, mostre o que a Bíblia ensina sobre o tema, mas não feche um veredito. Jesus veio salvar o perdido – Tg 5.20

5. Diferente cfe. a Situação

I Ts 5.14 a cada um como precisa, e para todos longanimidade.

ARMADILHAS DO ACONSELHAMENTO

1. O “Caminho Certo” x  a companhia de Deus conosco-Emanuel

cp. Sl 40.5 – os planos/desígnios/pensamentos de Deus para conosco são muitos, incontáveis. Sempre haverá um “caminho de Deus” na situação em que eu estiver.

2. A aparência de correto/boa fama (lei) x a ousadia do amor

Fp 4.5 o termo “moderação” (epieikeia) = “aquém e além da lei” (II Co 10.1, “benignidade de Cristo”). O Jesus que não condenou a mulher adúltera, que fez vinho para a festa, que defendeu os discípulos que debulhavam no sábado(Mc 7), e que circulava igualmente entre líderes do povo de Deus, fiscais de impostos corruptos, prostitutas, crianças, samaritanos, etc.

Rom 3.8 Paulo com seu ensino de justificação unicamente pela graça correu o risco de ser caluniado.

I Jo 2.1 João ao ensinar a realidade sempre presente do nosso pecado e a solução da propiciação corria o risco de ser mal interpretado (como incentivador do pecado).

3. A “caça aos pecados” em vez da “caça ao amor” (que cobre os pecados). As duas plantas no mesmo vaso (duas naturezas até a volta de Jesus). Lutero: simultaneamente justos e pecadores. Gál. 5.16: “andai pelo Espírito, e não haveis de cumprir a cobiça da carne”.

4. A advocacia em causa própria (reflexo da falta do primeiro fundamento) – evite ao máximo dar exemplos de sua própria vida (mais ainda nos sermões); é bem possível que estejamos tentando afirmar a nossa própria justiça. Seja bom exemplo, mas pregue a Palavra, não o que você faz. (OK, pode haver exceções; mas via de regra evite falar bem de si). É bom que as ovelhas saibam que nossos sermões nunca são perfeitos.

5. Levar o assunto para a pregação ou disciplina (quebra de aliança/fidelidade ao sigilo pastoral). Deixe as 99 ovelhas lá no aprisco: cuide da que está perdida – levar o assunto para o rebanho é fazer exatamente o contrário.

Mesmo em caso de “pecado explícito”, vale o “se teu irmão te ouvir, ganhaste teu irmão”(e morre ali mesmo a questão).

OBJETIVOS/FINAL DO ACONSELHAMENTO

1. Integração I Jo 1.1-10 – alegria completa, comunhão com Deus, comunhão uns com os outros, andar na luz (“abrir-se”), na verdade.

2. Encaminhamento Nem sempre conseguiremos ajudar. A realidade da doença da alma. A necessidade de ajuda profissional (psicólogo ou psiquiatra). Minhas limitações (repulsa ou atração demais). É uma relação “artificial” com início e final.

_______________________

Karl Kepler e Albert Friesen

Copyright ©1976-2018 CPPC - Corpo de Psicólogos e Psiquiatras Cristãos
Todo o conteúdo deste site é de uso exclusivo da CPPC.
Proibida reprodução ou utilização a qualquer título, sob as penas da lei.